0
O ex-presidiário Genilson Teles de Menezes, de 28 anos, o “Geni”, que estava no regime semi aberto, foi assassinado por volta das 20 horas desta sexta-feira na Travessa João Bosco Lima (Bairro Raimundo Fernandes) em Brejo Santo. Segundo testemunhas, dois homens usando capacetes se aproximaram da vítima em uma moto e, sem qualquer discussão, foram efetuando os disparos atingindo-a no tórax e na cabeça.

Ele residia no Sítio Pocinhos naquele município e, de acordo com o Sargento Decildo, já tinha várias passagens por roubos pelas polícias de Brejo Santo e Missão Velha. Desde a adolescência que o mesmo tinha envolvimento com o crime até mesmo em Maceió (AL) de onde veio uma Carta Precatória do Juizado da Infância e Juventude para a Comarca de Aurora.

Geni era suspeito ainda de envolvimento em um homicídio no último dia 11 de janeiro no Bar do Coqueiro que funciona no Sitio Pocinhos. Naquela data, o vendedor Cícero Fabiano Samontieur Venceslau, de 39 anos, o “Fabiano das Sandálias”, bebia com ele e mais duas pessoas do lado externo do estabelecimento quando foi assassinado a tiros de revólver.

A proprietária falou ter ouvido apenas os disparos e, ao sair, encontrou seu cliente no chão e os companheiros de farra fugindo em duas motos. Pouco depois, a polícia prendeu Geni, Antonio Lucena Sobrinho, de 47, o “Toin de Pedro Chicote”, e José Rivaldo Alves Filho, de 26 anos, o “Zé Filho”. O trio negou envolvimento no crime dizendo ter sido praticado por uma pessoa de capacete que chegou ao bar em uma moto sem ser reconhecido.

Foi o primeiro homicídio de 2016 em Brejo Santo, onde, no ano passado, 17 pessoas tombaram mortas. O último ocorreu na madrugada do dia 1º de dezembro quando Antonio Oliveira Inácio, de 19 anos, que residia na Rua Manoel Bastos Silva (Bairro Baixio dos Lopes) foi morto a golpes de faca pelo seu vizinho. Ele estava causando perturbação ao sossego público com o som alto quando o vigilante José Bastos da Silva, de 56 anos, residente na Rua Manoel Bastos Silva, foi lá e, após discussão, o assassinou, sendo preso.

Miséria

Postar um comentário

Você Repórter

Você Repórter
 
Top