0
A Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE), através do 6º DP (Messejana), afirma ter capturado um dos homens com maior histórico de crimes de homicídio cometidos na Área Integrada de Segurança (AIS) 4. Auto denominado de ‘Anjo da morte’, ele seria o braço armado de uma quadrilha de traficantes de drogas que, desde 2008, comanda o crime naquela região da cidade, tendo domínio sobre a vida e a morte dos moradores das comunidades Levada e Nova Conquista.

Auto denominado de ‘Anjo da morte’, ele seria o braço armado de uma quadrilha de traficantes de drogas que, desde 2008, comanda o crime na Messejana
Ao grupo, de 16 homens, pelo menos 40 mortes são atribuídas, conforme as investigações policiais. A maioria, motivada pela disputa do tráfico de drogas. Segundo a Polícia, pessoas que não possuíam qualquer ligação com o crime, no entanto, também foram executadas, apenas por estarem no lugar errado e hora errada.

Os trabalhos que apuram a atuação do bando tiveram início ainda em 2014, presididas pelo delegado titular do 6º DP, Osmar Berto. Conforme a autoridade policial, nove pessoas, incluindo os chefes originais do grupo criminoso, foram capturadas em 2015, em operações que tiveram início no mês de julho. Por último, Carlos Alberto da Silva de Oliveira Filho, o ‘Cacá’, de 29 anos, foi preso, no fim da tarde da última quarta-feira (13). Contra ele havia mandados de prisão expedidos pelos crimes de homicídio e tráfico.

‘Cacá’, que já possuía passagens na Polícia por tráfico de drogas, homicídio e posse ilegal de arma de fogo, foi encontrado pela equipe de inspetores do 6º DP em uma residência no bairro Messejana, por volta das 17h. Com ele, foram ainda encontrados uma balança de precisão e aproximadamente 75 gramas de cocaína que eram preparados para revenda.

"Ele é envolvido com o tráfico de drogas mas a função dele era matar. Investigamos 40 homicídios, cometidos desde 2008 pela quadrilha como um todo. E o suspeito era o homem que puxava o gatilho. Testemunhas indicam que ele era quem descia do carro e atirava. ‘Cacá’ foi preso e autuado em flagrante por tráfico e ao mesmo tempo todos os mandados que existem contra ele estão sendo comunicados ao Judiciário, para que ele possa respondê-los”, disse o presidente do inquérito.

Segundo as investigações, Carlos Alberto da Silva de Oliveira Filho é um homem bastante temidonas duas comunidades que já choraram dezenas de mortes nos últimos oito anos, muitas atribuídas a ele. Nas execuções de desafetos em que atuou, incorporou uma alcunha macabra: o ‘Anjo da morte’.

“Ele possui uma tatuagem que cobre todas as costas, de um anjo com uma foice. Segundo as pessoas, que se omitem em se identificar com medo, após as execuções, ‘Cacá’ fazia questão de tirar a camisa e mostrar essa tatuagem, apontando para ela. Era o ‘Anjo da morte’, como se fosse o senhor da vida e da morte das vítimas. Servia para simbolizar o poder que essa quadrilha possuía, para intimidar as pessoas que presenciavam os crimes”, explicou Berto.

De acordo com o presidente do inquérito, há ainda outros seis homens, tidos como integrantes da associação criminosa, com mandado de prisão em aberto e foragidos da Polícia. “Estão sendo todos procurados. Queremos por um ponto final na guerra que impera nessas comunidades”, salientou.

Fonte: Diário do Nordeste

Postar um comentário

Você Repórter

Você Repórter
 
Top