0
A Delegacia de Atendimento ao Turista, no Leblon, Zona Sul do Rio, registrou vários crimes nesta quarta-feira (27). Quatro turistas alemães e três ingleses fizeram boletins de ocorrências de furtos em Copacabana e Ipanema. Mais cedo, três turistas chineses tinham ido até a Deat para registrar o roubo de mais de R$ 30 mil em dinheiro, além de telefones e passaportes, na Glória.
Os ingleses não quiseram conversar com jornalistas que estavam na delegacia. Até as 22h a Polícia Civil não havia divulgado o que foi furtado deles e em qual circunstância.
Um dos chineses assaltados na Glória, porém, conversou com o G1, revelando terem ficado assustados com a insegurança na cidade, já que foram recepcionados por assaltantes. "A nossa sorte é estarmos vivos", afirmou o turista.
Outros casos
Também nesta quarta-feira, o jornal australiano "Sidney Morning" destacou em sua edição na internet uma tentativa de assalto sofrido pela equipe de reportagem que está no país. A manchete diz: "Alto, bronzeado, jovem e com aparência de bandido - um garoto de Ipanema usou uma bolsa para roubar um cinegrafista do Canal 9".
De acordo com a reportagem, a equipe estava gravando na Praia de Copacabana, quando um travesti tentou roubar equipamentos do cinegrafista. O segurança contratado pelo grupo reagiu e levou uma bolsada na cabeça. Nada foi roubado.
Atleta sequestrado
No último sábado (23), o lutador neozelandês, Jayson Lee, relatou que foi sequestrado, quando voltava de uma competição de jiu-jitsu em Resende, no sul do estado. Em depoimento, o atleta reletou que chegou a dar R$ 2 mil para que os policiais militares o libertassem.
Ainda de acordo com o depoimento, os PMs, que o abordaram em uma blitz, alegaram que o neozelandês não poderia dirigir sem o passaporte e precisaria ir até a Polícia Federal para fazer um registro e pagar uma multa ou que poderia pagar diretamente aos PMs a quantia de R$ 2 mil. Em seguida, o atleta foi orientado a seguir duas motos até um posto da polícia, onde teve que entrar em um carro particular até Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, e conseguiu sacar R$ 1 mil.
A Polícia Militar disse que a Corregedoria Interna instaurou um inquérito e já no início da investigação foram encontrados indícios de crime militar. Dois policiais do Batalhão de Vias Expressas (BPVE) estão presos, serão submetidos a um processo administrativo disciplinar e podem ser expulsos da corporação.
Fonte: G1

Postar um comentário

Você Repórter

Você Repórter
 
Top