0
Segundo especialistas, as usinas termelétricas devem ser acionadas, o que levará a volta da bandeira vermelha, encarecendo a conta de luz. Para o engenheiro eletricista e diretor de preços da Compass Energia, Gustavo Arfux, o aumento da tarifa acontecerá de forma integral em todo o Brasil, levando uma alta de aproximadamente 5% nas despesas com energia elétrica.

“A previsão é de que já em agosto, todo o País sofra com a elevação do preço na conta de luz. A bandeira vermelha nível 1 será acionada. A falta de chuvas gerou impacto em todo o Brasil, e em especial no Nordeste. A Região enfrenta uma das maiores secas dos últimos anos. De 2014 pra cá, só choveu 35% do previsto para a geração energia elétrica pelas usinas”, apontou o especialista.

Gustavo ainda lembra que a grande quantidade de chuvas na região litorânea do Ceará não influencia para um aumento do volume hídrico nos reservatórios. Ele explica que o que conta é a quantidade de chuvas nas regiões onde estão instaladas as hidrelétricas. O engenheiro destacou que o quadro chuvoso no litoral pode até atrapalhar na geração de energia elétrica. “Com as chuvas, as usinas eólicas têm seu rendimento comprometido devido à diminuição dos ventos”.

Para o restante deste mês e agosto, o especialista ainda prevê que choverá apenas 30% da média estimada para geração de energia nas hidrelétricas. A bandeira vermelha patamar 1, que deve ser acionada, gera um aumento de R$ 3 para cada 100kWh de consumo.

As bandeiras de cobrança da tarifa de energia elétrica são dividas em quatro níveis: verde, amarela, vermelha patamar 1 e vermelha patamar 2, a última é a mais cara. Quando o indicativo está na cor verde, não há cobrança adicional. A evolução das cores das bandeiras de tarifa indica que o custo de produção de energia aumentou. Isso está relacionado com a chuva abaixo do previsto, o que acaba acionando o uso de energia gerada por termelétricas, que é mais cara que a das hidrelétricas.

O Povo

Postar um comentário

Você Repórter

Você Repórter
 
Top