0
Em entrevista ao programa “Barra Pesada”, exibido nesta quinta-feira (18), pela TV Jangadeiro, em entrevista concedida ao repórter Nilson Fagata, o coronel da Polícia Militar e ex-chefe do grupo de elite Comando de Operações Especiais (COE), Francisco Horácio Marques Gondim, deu um depoimento contundente sobre o atual quadro de falência da Segurança Pública no Ceará.

Veja a entrevista:

Repórter - O senhor, como cidadão, está com medo da violência no Ceará, com tantas mortes?

Gondim - Minha visão é diferente do cidadão comum. Fui um cidadão que passei 40 anos na Polícia Militar, um cidadão adestrado para atirar e condicionado psicologicamente a reagir em determinadas situações. Vejo o seguinte; com o desarmamento do cidadão comum a criminalidade aumentou. Há uma diferença entre o cidadão Gondim e o cidadão comum que não tem direito a andar armado.

Repórter – Há algum tempo eu estive aqui e ao lhe entrevistar o senhor disse: “olhe lá, não se assuste se daqui a quatro anos, não estiverem matando dez por dia”. Como o Senhor fez uma previsão tão em cima?

Gondim – Naquela época, eu já falava sobre a falência do Estado de Direito, o descaso das autoridades, a falência do Judiciário, a falência do Legislativo e a falência do Executivo. Está tudo falido. Para reconstruir o Estado de Direito, teremos que pegar pesado, porque senão a bandidagem vai tomar de conta da sociedade.

Repórter – O senhor acredita que hoje a Polícia Militar virou partido político?

Gondim – Perfeitamente. Não se conversa polícia, se conversa política. Acabou-se aquela vontade de se fazer polícia. Simplesmente nós temos uma plêiade de funcionários públicos.

Repórter - O senhor esteve à frente do COE (Comando de Operações Especiais) durante quatro anos. Quantos policiais foram mortos nesta época?

Gondim – Somente dois.

Repórter – Hoje, nós já temos quatro policiais mortos apenas desde o começo do ano. Para o senhor, assistindo a tudo isso, dói no seu coração ver tantos colegas sendo assassinados?

Gondim – Vejo com muita tristeza. Quando o corneteiro toca o silêncio (homenagem na hora do sepultamento) fico de cortar o coração.

Repórter – O que o Senhor pensa de tudo isso?

Gondim – Você só vê o Legislativo legislar para o vagabundo. Você só vê fazerem lei para abrandar pena. Você só vê lei para proibir o pai de educar o filho, é a Lei da Palmada. São coisas que nós “avançamos” tanto, e terminou a sociedade perdendo.

Repórter – Nunca a Polícia foi tão respeitada no Ceará como o COE. Hoje, quando a Polícia chega, o bandido vai pra cima. Ele perdeu o medo da Polícia?

Gondim – Perdeu o respeito e perdeu o medo, por culpa da própria sociedade, por culpa dos Direitos Humanos, por culpa daqueles legisladores que trabalham só para um grupelho de pessoas.

Repórter – Eestamos perdendo a guerra para o tráfico?

Gondim – Ainda não. Agora, urgentemente, temos que cuidar disso com mão-de-ferro. Não só na macrocriminalidade, mas também na microcriminalidade, pois quem está matando é o vagabundo pé-de-chinelo.

Repórter – Existe uma distância entre a Polícia Civil e a Polícia Militar?

Gondim – Não. Vivi dentro da Secretaria da Segurança Pública. Sou um apaixonado pela Polícia Civil. Fico constrangido ao ver que a Polícia Civil hoje está sucateada. O general Assis Bezerra (ex-secretário da Segurança Pública do Ceará na época do COE, nos anos 90), deixou a Polícia Civil com 3.500 homens. Hoje, talvez, não chegue a dois mil.

Repórter – E o que fazer?

Gondim – Eu diria, uma tolerância zero para a bandidagem pesada.

Repórter – E o que fazer daqui pra frente? O cidadão vai continuar acuado?

Gondim – Eu acho que já estamos quase no limite. As autoridades vão ter que dar a resposta. O jogo vai ter que virar urgentemente. Não podemos viver à mercê do Estado criminoso.

Fonte: Blog do Fernando Ribeiro

Postar um comentário

Você Repórter

Você Repórter
 
Top