0
Um homem de meia idade, vestido impecavelmente, foi ao aeroporto de Portland, nos Estados Unidos, e comprou uma passagem na véspera do Dia de Ação de Graças de 1971 se apresentando como Dan Cooper.
Assim começou um dos maiores mistérios não solucionados da história criminal americana.
O homem pegou um voo da Northwest Orient Airlines com destino a Seattle e sentou-se no fundo do avião junto com outros 36 passageiros e seis tripulantes.
Pediu uma dose de bourbon com soda e começou a fumar cigarros Raleigh. Pouco antes da decolagem, ele entregou um bilhete à aeromoça Florence Schaffner, com 23 anos na época, que guardou o papel no bolso sem dar muito atenção a ele. Ela comentou depois que acreditava se tratar de uma proposta sexual, como outras que já havia recebido.
'Como enganei o próprio ladrão para recuperar meu laptop roubado'
Mas ela estava enganada. O homem pediu logo em seguida que ela lesse o recado, dizendo que ele escondia uma bomba e pedindo que se sentasse ao seu lado. Mostrou, então, uma maleta repleta de cabos e pediu US$ 200 mil (R$ 660 mil) em notas de US$ 20 e quatro paraquedas.
A aeromoça levou o bilhete ao piloto, que aterrizou em Seattle, onde Cooper permitiu que os passageiros desembarcassem junto com duas aeromoças, em troca do que exigia.
Projeto da Nasa decifra 'mensagem em código morse' na superfície de Marte
A 3 mil metros de altura
Depois de decolar novamente com os pilotos e uma aeromoça, Cooper mandou que o avião rumasse para a Cidade do México. Disse especificamente a que altura e velocidade deveriam voar e a posição em que o avião deveria ser colocado.
Quando estava satisfeito, prendeu o dinheiro ao corpo e pediu que a aeromoça fosse para a cabine dos pilotos para que ficasse sozinho.
Em algum lugar entre Seattle e Reno, no Estado de Nevada, Cooper abriu a porta traseira do Boeing 727 e saltou de paraquedas a 3 mil metros de altura, em plena noite, sobre as montanhas do Estado de Washington, sumindo para sempre.
Nunca se descobriu sequer seu nome real. Ele comprou a passagem como Dan Cooper e, depois, a imprensa passou a se referir a ele pelas siglas D.B. após o FBI, a polícia federal americana, investigar um suspeito chamado D.B. Cooper, que era inocente.
Desde então, o FBI já entrevistou a mais de mil suspeitos. A melhor pista surgiu em 1980, quando um menino se deparou com um pacote em decomposição contendo US$ 5,8 mil em notas de US$ 20 com números de série que coincidiam com os do saque feito para pagá-lo. Também encontraram pedaços de paraquedas e uma gravata preta usada por Cooper, mas nenhum indício concreto do paradeiro do ladrão.
Fim da investigação
Nesta semana, o FBI finalmente jogou a toalha. O anúncio foi feito pelo agente Frank Montoya: "Hoje, chegamos à conclusão de que está na hora de encerrar o caso, porque não há nada novo".
Colocou assim um ponto final em uma das investigações criminais mais longas - e mal sucedidas - do FBI.
"Se surgir algum indício novo, principalmente sobre o paraquedas ou o dinheiro, podemos reabrir o caso e levar o culpado à Justiça", disse Montoya.
No entanto, até que isso ocorra, D.B. Cooper pode ficar tranquilo - desde que tenha de fato sobrevivido ao salto e ainda esteja vivo.
*****BBC

Postar um comentário

Você Repórter

Você Repórter
 
Top